Espécies > Tamanduá > Tamanduá-bandeira: Myrmecophaga tridactyla

Tamanduá-bandeira: Myrmecophaga tridactyla

Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758)

Ordem: Pilosa Família: Myrmecophagidae Nome científico: Myrmecophaga tridactyla

 

Nomes populares:

- Inglês: giant anteater

- Espanhol: hormiguero gigante, oso hormiguero, oso cavallo, oso palmero

- Português: iurumi, jurumim, tamanduá-açú, tamanduá-cavalo, papa-formigas gigante

Distribuição:Ampla distribuição geográfica, de Belize e Guatemala, dirigindo-se pela porção sul da América Central e estendendo-se até o Sul da América do Sul, exceto nos Andes (Wetzel, 1985). Nas regiões da América Central e ao sul da distribuição original a espécie está se extinguindo. O mapa extraído de Superina et al (2010) mostra a área de distribuição em vermelho e em azul são as áreas onde a espécie possivelmente está extinta.

Hábitat: Apresenta plasticidade para viver em diversos habitats e tipos vegetacionais, que incluem áreas campestres e/ou inundáveis, formações florestais e áreas xéricas, como o Chaco boliviano. A espécie já foi registrada em áreas convertidas em paisagens agrosilvipastoris, como em plantações de acácia, pinus, eucalipto, cana de açúcar e pastagens, inclusive no entorno de unidades de conservação. Além disso, o uso do habitat é influenciado pela temperatura ambiente.

Biologia e ecologia: O seu sentido mais aguçado é o olfato, sendo a visão e a audição paupérrimas. É um animal solitário, exceto durante o período reprodutivo e parental, onde carrega o filhote nas costas entre 9 meses a um ano. Normalmente há um filhote por gestação (cerca de 190 dias) e este nasce com cerca de 1,1 kg. O período de atividade difere de local para local (Fonseca et al, 1994) e pode ser reflexo de um comportamento termorregulatório com a temperatura do ambiente onde vive, bem como pode ser influenciado pela presença humana. Diferentes tamanhos de área de vida forma registrados e variam de acordo com sexo, idade, região e técnicas de estudo (Montgomery, 1985; Chebez, 1994; Fonseca et al, 1994; Pinto da Silveira, 1969;Shaw et al, 1987; Medri, 2002; Miranda, 2004; Medri & Mourão, 2005). Sobreposição entre as áreas de vida entre indivíduos e entre sexo é relatada. Quando acuado o animal pode assumir a posição bípede e expor suas garras para sua defesa.

 

Dieta: É um especialista alimentar já que se alimenta obrigatoriamente de formigas e cupins; o consumo destes insetos é proporcional à disponibilidade de presas.

Ameaças: As maiores ameaças são a perda de habitat, atropelamentos, queimadas e caça. Estima-se que nos últimos 10 anos tenha havido uma perda de cerca de 30% da população. As mudanças climáticas também podem afetar populações da espécie, uma vez que é dependente da temperatura ambiente.

Status de conservação: Está listado como “Vulnerável” em âmbito nacional e internacional (IUCN). Na Convenção sobre o comércio internacional de espécies ameaçadas (CITES) o tamanduá-bandeira consta no anexo II. No Brasil, está listado como “Vulnerável” pelo Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção.

Curiosidade: O nome da espécie Myrmecophaga tridactyla significa, em grego, comedor de formiga de três dedos. Seu nome popular reflete a semelhança de sua cauda à uma bandeira enquanto o animal está em movimento. Sua extensa língua mede ao redor de 60 centímetros.

 

Referências

Bickel CL, Murdock JK, Smith ML 1976. Hand-rearing a giant anteater Myrmecophaga tridactyla at Denver Zoo. International Zoological Yearbook, 16:195-98.

Bonin CA, Stender-Oliveira F, Monteiro-Filho ELA 1997. Cripsis na relação mãe-filhote de tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) em cativeiro. In: XV Encontro Anual de Etologia. São Carlos - SP. Anais de Etologia. São Paulo : Gráfica do Dharma, 1997. v. 15. p. 383.

Braga FG 2009. Plano de conservação para tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla). p. 14-30. In: Instituto Ambiental do Paraná, Planos de ação para Espécies de mamíferos ameaçados. IAP: Curitiba.

Braga FG 2004. Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), espécie criticamente em perigo: uma preocupação no estado do Paraná. Acta Biol. Par., v. 33, n. 1-4, p. 193-194.

Braga FG & Vidolin GP 2001.Ocorrência do tamanduá-bandeira, Myrmecophaga tridactyla, no Parque Estadual do Cerrado, Jaguariaíva, Paraná. In: I Congr. Bras. Mastozool., Porto Alegre.

Braga FG & Batista AC 2007. Myrmecophaga tridactyla em povoamentos florestais de Pinus spp. no estado do Paraná, Sul do Brasil. In: XXI Jornadas Argentinas de Mastozoología, Tucuman.

Braga FG,Batista AC, Santos REF 2008. Marcação de tamanduá-bandeira Myrmecophaga tridactyla em Pinus spp. em áreas de cultivo no município de Jaguariaíva, Paraná, Brasil. In: IV Congresso Brasileiro de Mastozoologia, São Lourenço, Minas Gerais.

Braga FG, Santos REF, Batista AC 2010. Marking behaviour of the giant anteater Myrmecophaga tridactyla (Mammalia: Myrmecophagidae) in Southern Brazil. Zoologia. v. 27, n. 1, pp: 7-12.

Byrne PS 1962. Giant anteaters born in Zoo. J. British Guiana Mus. Zoo Roy. Agric. Commerc. Soc., 36:28- 29.

Cabrera A & Yepes J 1940. Mamíferos sudamericanos. Vida, costumbres y descripción. Historia Natural Ediar, Cia. Argentina de Editores, Buenos Aires, Argentina.

Carvalho JCM 1966. Novos dados sobre a alimentação do tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758), Edentata, Mammalia. An. Acad. Bras. Ciências v. 38, p. 341-346. Carvalho JCM & Kloss R 1951. Sobre a alimentação do tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla L., 1758). Ver. Brasil. Biol. v. 11, n. 1, p. 37-42.

Clozato CL 2009. Diversidade genética do tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) no Brasil e implicações para sua conservação. Dissertação. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Collevati RG & Rodrigues FHG 2007. Evidence of high inbreeding in a population of the endangered giant anteater, Myrmecophaga tridactyla (Myrmecophagidae), from Emas National Park, Brazil. Genet. Mol. Biol. v.30, n.1, pp. 112-120.

Costa LCM, Silva AB, Paula RC. Estudo dos comportamentos de manutenção do tamanduá-bandeira, Myrmecophaga tridactyla (Linnaeus, 1758) no Parque Nacional da Serra da Canastra, MG e no Zoológico Municipal de Curitiba. In: XIV Seminário de Iniciação Científica e VIII Mostra de Pesquisa da PUC-PR. CV03. 2006.

Drumond MA 1992. Padrões de forrageamento de tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) no Parque Nacional da Serra da Canastra: dieta, comportamento alimentar e efeito de queimadas. Dissertação. Universidade Federal de Minas Gerais: Belo Horizonte. 1992. 103p.

Drumond MA 1994. Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758 – tamanduá-bandeira. In: FONSECA, GAB, RYLANDS AB, COSTA CMR, MACHADO RB, LEITE YLR (eds). Livro vermelho dos mamíferos brasileiros ameaçados de extinção. Belo Horizonte: Biodiversitas.460 pp.

Gregorini MZ, Rodolfo AM, Cândido FJr,Tôrres NM 2007. Modelagem de distribuição geográfica do tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) e sua ocorrência em unidades de conservação no estado do Paraná. In: VIII Congresso de Ecologia do Brasil, Caxambu – MG.

Hardin, CJ 1976. Hand rearing a giant anteater Myrmecophaga tridactyla at Toledo Zoo. International Zoological Yearbook, 15:199-200.

Honigman H 1935. Beobachtungen am Grossen Ameisenbären (Myrmecophaga tridactyla L.).Zeitschrift für Säugetierkunde, 10:78-104.

Jerez SV, Haloy M 2003. El oso hormiguero, Myrmecophaga tridactyla: Crecimiento e independización de una cría. Mastozoologia Neotropical v. 10, n. 2, p. 323–330.

Kreutz K 2007. Timber plantations as favourite habitat for the giant anteater (Myrmecophaga tridactyla L., 1758) in Northern Brazil. Diploma Thesis. Faculty of Biology. University Würzburg. 89p.

Lubin YD, Montgomery GG, Young OP 1977. Food resources of anteaters (Edentata: Myrmecophagidae). I. A year’s census of arboreal nests of ants and termites on Barro Colorado Island, Panama Canal Zone. Biotropica v. 9, p. 26-34.

Lubin YD & Montgomery GG 1981. Defenses of Nasutitermes termites (Isoptera, Termitidae) against tamandua anteaters (Edentata, Myrmecophagidae). Biotropica v. 13, p. 66-76.

Martins J R, Medri IM, Oliveira CMB, Guglielmone AA 2004. Ocorrência de carrapatos em tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) e tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla) na região do Pantanal Matogrossense. Ciência Rural v. 34, n. 1, p. 293-295.

Martins JR, GUGLIELMONE AA 1995. Registro de Amblyomma calcaratum parasitando tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla) no Rio Grande do Sul. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia v. 47, p. 91-92.

Martins TF, Silva FMP, Teixeira RK, Takahira RS 1984. Ixodofauna de um tamanduá-bandeira (Mymercophaga tridactyla) (XENARTHRA: MYRMECOPHAGIDAE) no Centro de Recuperação de Animais Silvestres da FMVZ, Unesp, Botucatu, SP. In: XV Congresso da Sociedade Paulista de Zoológicos, São Pedro, São Paulo. 2006. MCNAB, B. K. Physiological convergence amongst ant-eating and termite-eating mammals. J. Zool. Lond. v. 203, p. 485-510.

McNab BK 1982. The physiological ecology of South American mammals. Pp. 187-208. In: Mares MA, Genoways HH (eds). Mammalian Biology in South America. Pymatuning Symposia in Ecology 6, Special Publication Series, Pymatuning Laboratory of Ecology, University of Pittsburgh, Pittsburgh.

Medri ÍM 2002. Área de vida e uso do habitat de tamanduá-bandeira Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758 nas Fazendas Nhumirim e Porto Alegre, Pantanal da Nhecolândia, MS. Dissertação. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande. 83p.

Medri Í M & Mourão G 2003. Dieta de Tamanduá-Bandeira (Myrmecophaga tridactyla) no Pantanal da Nhecolândia, Brasil. Edentata v. 5, p. 29-34.

Medri ÍM & Mourão G 2005. Home range of giant anteaters (Myrmecophaga tridactyla) in the Pantanal wetland, Brazil. Journal of Zoology of London v. 266, n. 4, p. 365-375.

Medri ÍM & Mourão G 2008. Myrmecophaga tridactyla Linnaeus 1758. p. 711-713. In: Machado AB, Drumond GM, Paglia AP. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasílis: MMA; Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas. 2008. 1420p.

Miranda F 2006. Guia de colheita de amostras biológicas em Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla). Projeto Tamanduá. 14 p.

Miranda F, Solís G, Superina M, Jimenez I 2006. Manual clinico para el manejo de oso hormiguero gigante (Myrmecophaga tridactyla). Projeto Tamanduá: The Conservation Land Trust. 27p.

Miranda GHB 2004. Ecologia e conservação do tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758) no Parque Estadual das Emas. Tese. Universidade de Brasília. Doutorado em ecologia. 81p.

Miranda GHB, Rodrigues FHG, Medri ÍM, Santos, FV 2003. Giant Anteater (Myrmecophaga tridactyla) Behave Foraging at Emas National Park, Brazil. Edentata v. 5, p. 55.

Montgomery GG 1985. Movements, foraging and food habits of the tour extant species of neotropical vermilinguas (Mammalia: Myrmecophagidae). In: Montgomery GG (ed). The evolution and ecology of armadillos, sloths and vermilinguas. Smithsonian Institution Press. Washington and London. 1985. 451p.

Montgomery GG, Lubin YD 1977. Prey influences on movements of neotropical anteaters. p. 103-131. In: Phillips RL & Jonkel C (eds). Proceedings of the 1975 Predator Symposium. Montana Forest and Conservation Experiment Station. University of Montana.

Mourão G, Medri ÍM 2002. A new way of using inexpensive large-scale assembled GPS to monitor giant anteaters in short time intervals. Wildlife Society Bulletin v. 30, n. 4, p. 1029-1032.

Mourão G, Medri ÍM 2007. Activity of a specialized insectivorous mammal (Myrmecophaga tridactyla) in the Pantanal of Brazil. Journal of Zoology v. 271, n. 2, p. 187-192.

Naples VL 1999. Morphology, evolution and function of feeding in the giant anteater (Myrmecophaga tridactyla). J. Zool. Lond. v. 249, p. 19-41.

Patzl M, Schwarzenberg C, Osmann C, Bamberg E, Bartmann W 1998. Monitoring ovarian cycle and pregnancy in the giant anteater (Myrmecophaga tridactyla) by faecal progestagen and oestrogen analysis. Animal Reproduction Science v.53, p. 209-219.

Redford KH 1985. Feeding and food preferences in captive and wild giant anteaters (Myrmecophaga tridactyla). J. Zool. (London), 205:559-572.

Redford KH 1987. Patterns of ant and termite eating in mammals. Current Mammalogy, 1:349-400.

Redford KH & Eisenberg JF 1992. Mammals of the Neotropics. Vol. 2: The Southern Cone: Chile, Argentina, Uruguay, Paraguay. The University of Chicago Press, Chicago and London, pp 46-50.

Rodrigues FHG, Medri ÍM, Miranda GHB, Camilo-Alves C, Mourão G 2008. Anteater behavior and ecology. In: Vizacaíno SF & Loughry WJ (eds). The Biology of the Xenarthra. Gainesville: University Press of Florida. 257-268. Rosa ALM 2007. Efeito da temperatura ambiental sobre atividade, uso de habitat e temperatura corporal do tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) na fazenda Nhumirim, Pantanal. Dissertação. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Corumbá. 32p.

Schimdt B 1939. Psychologische Beobachtungen und Versuche an einem jungen, männlichen Ameisenbären (Myrmecophaga tridactylus). Zeitschrift für Tierpsychologie, 2:117-126.

Shaw JH & Carter TS 1980. Giant anteaters. Natural History v. 89, p. 62-67. Shaw JH, Carter TS, Machado-Neto JC 1985. Ecology of the giant anteater Myrmecophaga tridactyla in Serra da Canastra, Minas Gerais, Brazil: A pilot study. Pp. 379-384. In: Montgomery GG (ed). The Evolution and Ecology of Armadillos, Sloths, and Vermilinguas Smithsonian Institution Press, Washington, D.C.

Shaw JH, Machado-Neto JC, Carter TS 1987. Behavior of free-living anteaters (Myrmecophaga tridactyla). Biotropica, 19:255-259.

Silva MFL 2004. Relação carrapato x tamanduá-bandeira Myrmecophaga tridactyla (Linnaeus 1758) de vida livre: características histológicas e ultra-estruturais da lesão cutânea. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista Jaboticabal, São Paulo. 72pp. Silva CB, Nicola PA, Pereira RCM 2000. Ocorrência do tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) no Parque Estadual do Cerrado, Jaguariaíva, Paraná, Brasil. In: XXIII Congresso Brasileiro de Zoologia, p. 554. Wetzel RM 1982. Systematics, distribution, ecology and conservation of South American edentates. Pp. 345-376. In: Mares MA, Genoways HH( eds). Mammalian Biology in South America Pymatuning Symposia in Ecology 6, Special Publication Series, Pymatuning Laboratory of Ecology, University of Pittsburgh, Pittsburgh.

Young RJ, Coelho CM, Wieloch DR. A note on the climbing abilities of giant anteaters, Myrmecophaga tridactyla (Xenarthra, Myrmecophagidae). Bol. Mus. Biol. Mello Leitão. v. 15, p: 41-46. 2003.



MEIOS DE CONTATO

Quer falar com a gente?

Entre em contato para
dúvidas, sugestões, comentários.

Telefone:

(086) 3323-8163

Email:

contato@tamandua.org

Desenvolvido por: Emprimeiro Informática. Todos os direitos resenvados